Goiás bate recorde com emissão de 984,6 milhões de notas fiscais, em 2021

 

Valores alcançam R$ 1,4 trilhão frente a R$ 968 bilhões em 2020 e R$ 802,3 bilhões em 2019. Só em dezembro, comércio goiano movimentou quase 100 milhões de notas fiscais eletrônicas, que representam montante de R$ 119,8 bilhões. O documento digital traz economia e otimização da fiscalização por parte do Fisco que acompanha em tempo real as operações comerciais

O Estado de Goiás bateu o recorde de emissões da Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica (NFC-e) e Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) em 2021. O levantamento é da Superintendência de Informações Fiscais (SIF) da Secretaria de Estado da Economia. De acordo com o relatório, foram emitidas 984,6 milhões de notas fiscais eletrônicas em 2021 nos 246 municípios, incluindo varejo e comércio virtual. Em valores, a movimentação somou R$ 1,4 trilhão injetados na economia goiana.

“Podem ter certeza que nós temos tudo para dar a grande virada, para fazer uma retomada das nossas ações. O Estado de Goiás está preparado”, ressaltou o governador Ronaldo Caiado.

Os dados superam o resultado observado em 2020, ano de início da pandemia de coronavírus, quando foram registradas 892,8 milhões de emissões e, também, o de 2019 que somou 920,3 milhões de notas. Em valores, essas emissões representaram R$ 968 bilhões em 2020 e R$ 802,3 bilhões em 2019, frente a R$ 1,4 trilhão.

“Goiás está mais uma vez demonstrando sua força e capacidade de superação. Com responsabilidade fiscal, abrimos caminho para que a economia continue crescendo”, frisou a secretária de Estado da Economia, Cristiane Schmidt.

Mais importante mês para o comércio, dezembro de 2021 registrou quase 100 milhões de notas emitidas em Goiás, também superior a 2019 e 2020. Foram movimentados R$ 119,8 bilhões no mês, frente a R$ 81,3 bilhões no mesmo período de 2020 e R$ 65 bilhões, em 2019.

Nota e Cidadania
A NF-e foi implantada em Goiás em 2005, e a NFC-e em 2016. De acordo com o coordenador de documentos fiscais da SIF, Antonio Godoi, a nota fiscal eletrônica é um avanço tanto para o consumidor quanto para o empresário. “O consumidor é parte importante na garantia de que o imposto que ele pagou no momento da compra vá para o destino correto, isso só é possível com o hábito de sempre pedir a nota fiscal”, frisou.

O documento digital traz economia e otimização da fiscalização por parte do Fisco que acompanha em tempo real as operações comerciais. Além disso, proporciona legitimidade e segurança ao consumidor que pode verificar a autenticidade do documento recebido no site da Secretaria de Estado da Economia. No caso da NFC-e é possível, inclusive, ler o QRCode com o celular. No caso da NF-e, a consulta pode ser feita no site da secretaria por meio da chave presente na nota.

Fonte: Secretaria de Estado da Economia

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.