Economia

Uma grande diversidade de segmentos compõe a economia de Goiás. Nos últimos anos, as áreas que têm impulsionado o setor industrial são as produções sucroalcooleira e automotiva. A indústria tem ganhado mais espaço no Estado devido à localização privilegiada de Goiás dentro do território nacional e à exploração de algumas matérias-primas.

Em relação à agricultura, Goiás está entre os maiores produtores em nível nacional de soja, sorgo, milho, feijão, cana-de-açúcar e algodão. A modernização agrícola, a partir dos anos 1980, foi um dos fatores que estimulou o desenvolvimento da agricultura goiana.

A pecuária também é um dos destaques na produção de rebanho bovino, suíno, equino, leite e ovos, além do abate de bovinos, suínos e aves. Conforme dados de 2017 do Instituto Mauro Borges,  75% das exportações goianas são compostas por produtos ligados à soja, carne e minérios. 

No entanto, o setor que mais gera emprego e renda em Goiás é o de serviços. Em evidência estão os serviços prestados às famílias; de alojamento e alimentação; atividades culturais, recreativas e esportivas; atividades de ensino continuado; serviços de informação e comunicação; serviços prestados às empresas; transportes; correios e outras atividades de entrega. 

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de Goiás é o 8º no ranking nacional, com 0,735, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2010. Também segundo o IBGE, Goiás tem a 7ª maior arrecadação do Brasil. 

Pesquisa: